As causas mais comuns de diarréia são:
-Vírus (Rotavírus, Norwalk e citomegalovírus entre vários outros);
-Bactérias (campylobacter, salmonella, shigella e Escherichia coli);
-Protozoários (giárdia, cryptosporidium e ameba);
-Medicamentos como antibióticos (matam as bactérias normais da flora intestinal e favorece o crescimento de outras. Ex: Clostridium difficile) e drogas que contém magnésio;
-Lactose (algumas pessoas têm intolerância a este açúcar que é comum no leite e em seus derivados);
-Sorbitol e manitol (adoçantes usados em alguns alimentos diet podem causar diarréia);
-Cirurgias (pacientes que foram submetidos à cirurgias disabsortivas, ressecções intestinais, cirurgia para retirada da vesícula biliar);
-Doenças como retocolite ulcerativa, doença de Crohn, síndrome do intestino irritável, pancreatites crônicas, doença celíaca e doença de Whipple entre outras, podem ser causa de diarréia;

Como foi dito, na grande maioria das vezes, a diarréia tem curta duração e resolução espontânea, independente de haver tratamento ou não.
Devemos estar atentos para procurar auxílio médico se:
-A diarréia persiste por mais de uma semana;
-O paciente está apresentando sinais de desidratação (sede excessiva, boca e pele secas, urinando pouco ou apresentando urina escura, fraqueza e indisposição);
-Dor abdominal importante;
-Fezes enegrecidas ou com sangue;
-Febre alta;

O médico vai definir se o paciente está desidratado e se é possível fazer a reposição de líquidos e eletrólitos por via oral. Se isto não for possível o paciente necessitará de hospitalização. Caso contrário, há orientação para repouso e ingestão abundante e fracionada de líquidos e sais minerais com o soro caseiro, por exemplo. A história clínica detalhada vai apontar os hábitos de vida e alimentares e definir se houve viagens recentes e se mais alguém do seu convívio está apresentando diarréia. Isto associado ao exame físico é muito útil na tentativa de se estabelecer a causa da diarréia. Na diarréia aguda geralmente não solicitamos exames, mas em casos mais graves e na diarréia crônica, pode-se fazer uma investigação mais criteriosa, com hemograma (para avaliar a presença de anemia e sinais de infecção); análise bioquímica do sangue (avaliar a função renal e hepática); colher amostras de fezes (para a pesquisa de parasitas, culturas de bactérias e vírus e avaliar se há a presença de gordura nas fezes); colonoscopia (pode ser muito útil, pois pode avaliar toda a mucosa intestinal e realiza biópsias se for necessário); enteroscopia e cápsula endoscópica (podem ser úteis para avaliar o intestino delgado); Enema opaco, seriografias intestinais, ultra-som de abdome e tomografia computadorizada são muito pouco úteis e portanto quase não são utilizados.

Lembre-se que atualmente não se usa medicamentos anti-diarréicos como se usava antigamente. Seu uso pode ser até perigoso em algumas situações como na diarréia infecciosa, quando o aumento do número de evacuações funciona como um mecanismo de defesa, eliminando as toxinas, bactérias, vírus e outros parasitas. Em casos muito específicos o uso de antibióticos está indicado e não deve fazer parte da rotina da prescrição de um paciente com diarréia. Também com certa cautela, onde o número de evacuações é muito grande e está causando igual desconforto ao paciente, pode-se receitar escopolamina e ou loperamida.

Voltar

Termos de uso

"As informações encontradas no site estão de acordo com padrões vigentes à época da publicação. Mas os constantes mudanças na Medicina, resultantes das pesquisas clínicas, as diferentes opiniões entre especialistas, e os aspectos peculiares de situações individuais, implicam na necessidade por parte do leitor, de exercer seu melhor julgamento ao tomar decisões. Em particular, o leitor é solicitado a discutir a informação obtida neste site com um profissional da saúde, sendo que este site de informação não pode e nem deve substituir uma consulta médica."